terça-feira, 27 de janeiro de 2015

UNESPAR. A Reitoria. Pais e padrinhos

A reitoria da UNESPAR - Universidade Estadual do Paraná, empresta inegável importancia a nossa Paranavai.

Hoje, a instalação da sede administrativa da reitoria, ratificando decisão e vontade política do Governador Beto Richa, enviando projeto de lei à Assembleia   Legislativa, que votou-o em início de junho de 2013.

Foi fundamental a visão do Governador, optando por Paranavai, em detrimento do desejo do conselho universitário, que preferia Curitiba.

O deputado Luiz Accorsi, estimulou o Governador e na Assembleia apresentou a defesa da cidade, apresentou números, argumentou com profundidade. 

Deputado Teruo Kato atuou na mobilização da comunidade local e regional. O Prefeito da cidade de Paranavai, Rogério Lorenzetti, o presidente da AMUNPAR à época, Prefeito de Alto Paraná, Cláudio Golemba...

Durante a campanha eleitoral em meados de 2012, o assunto foi objeto de discussão para a composição politica às eleições de Paranavai, e Rubens Felippe, como candidato a vice-prefeito, obteve dos deputados Luiz Accorsi e Valdir  Rossoni, de seu PSDB,  apoio a esse pleito, sendo que inclusive ambos gravaram em horário eleitoral, destacando esse compromisso.

Nos bastidores, muitos estimularam o Governador, que anunciou a reitoria em Paranavai em março de 2012, durante a exposição e citou os nomes de Teruo, Accorsi, o suplente de deputado Flávio Antunes.

Além desses, outras lideranças de dentro de seu governo, vinculados a Paranavai, incentivaram o Governador,que enfrentou interesse de outras regiões  e da própria capital.

É a história.

A sede física da reitoria, ofertada pelo município e entregue hoje, é uma 
contrapartida mínima para a grandeza dessa instituição, mas possibilita os 
movimentos nesta fase da reitoria, na sua sede de fato e de direito.

São tantos padrinhos citados e tantos "esquecidos" em muitas publicações, que ocorre-nos o ditado corrente na própria cidade, "todos querem ser pai de criança bonita".

domingo, 25 de janeiro de 2015

Paranavai e a escassez de água.

Reflexões de domingo, sobre esse bem indispensável.

Há racionamento de água em S.Paulo, a capital pode entrar em colapso. Rica, 462 anos de fundação. Não cuidou de seus mananciais;

No Rio de Janeiro, mais de 30% das indústrias sofrem com a escassez de água; 

Em Minas, 63 municípios estão fazendo racionamento de água.

O Paraná, via Sanepar, investe em abastecimento e saneamento, para não reproduzir esse drama dos principais estados brasileiros.

Em Paranavai o prefeito Rogério Lorenzetti alerta via Twitter: "Que tal darmos o bom exemplo de economizar água com medidas simples mas que são eficientes.
Fechar a torneira enquanto escova dentes, não "varrer" calçadas com água, diminuir o tempo no banho e outras. Nosso bolso e o planeta agradecem!"

Bom ver o prefeito pensar assim. Um alívio, já que 
há no seio do poder local, debate para autorizar 
construções em área de manancial, em área da APA -
 Área de proteção ambiental. 
Se isso acontecesse, em algum tempo, Paranavai reproduziria essa cenário de escassez que se registra em boa parte do país.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Paranavai. Nova relaçao de forças na política.

As eleições de 2016 ainda distantes, mas nem tanto.

Os pretendentes as cadeiras de prefeito, vice e até 17 vereadores, precisam fazer opção por partidos até 1 ano antes do pleito, portanto daqui a 9 meses!

Em "post"mais abaixo, estamos estimulando opinião sobre quem o leitor acha que seria um bom candidato. Continue colocando lá seu comentário.

Muitos nomes já apontados mostram a riqueza de opções para 2016.
Os Partidos se fortalecem; depois do fim do mês, apresentaremos a relação de nomes lembrados pelos que vem lendo este blog. 
Muitas surpresas. 

Paranavai tem opções de homens e mulheres capazes de administrá-la.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Água e arborização. Paranavai preciso mirar-se em exemplos.

Paranavai não pode terminar como São Paulo. Não possui recursos, não pode pôr em risco manancial como a bacia do ribeirão Arraras, que abastece a cidade. 

E há projeto sendo discutido para construções comeciais nessa área do município!

Olha o que diz Danilo Fernandes, via twitter:
"E se a Cantareira secar? - Provavelmente farão dezenas de loteamentos onde um dia foi água. Chamarão de Cantareira Park, Vila Cantareira..."

As árvores vão além da sensação agradável da sombra. Seus efeitos são muito maiores e benéficos.
É preciso aumentar a patrimônio verde da cidade.

E os cumprimentos a Sanepar, que investe permanentemente no abastecimento e saneamento em todas as cidades do Paraná. Como é exemplo evento de hoje de assinatura de convênios em Paranavai!



O mundo está mais rico hoje - mas quem está ganhando com isso?

Estejamos aqui na nossa pequena Paranavai, cidade de médio porte para os padrões brasileiros, ou no outro lado do mundo, há uma reflexão que pode e deve ser feita sobre as riquezas e sua distribuição.
Transcrevo aqui, texto da BBC BRASIL, sempre produzindo jornalismo de qualidade, em meu ver.

"Estamos ficando mais ricos. Certamente não todos nós, nem no planeta nem em todos os países. Mas, em média, um cidadão comum hoje tem padrões de vida superiores aos do passado.
Uma das formas de medir isso é pela quantidade de produtos e serviços produzidos em média por pessoa, o PIB per capita. Para a população global, esse índice subiu quase quatro vezes em seis décadas até 2010.
Há diferenças significativas entre os países: na China, o crescimento foi oito vezes. Na Coreia do Sul e em Taiwan foi ainda maior: em média, o país e o território estão 25 vezes mais ricos do que em 1950.
Outros países, no entanto, a maioria deles na África, viram o PIB per capita diminuir. Na República Democrática do Congo, o padrão médio de vida caiu para menos da metade no mesmo período.
Esses números devem ser lidos com cautela: eles não captam fatores intangíveis que afetam a qualidade de vida, como os laços comunitários ou padrões ambientais. Também há ressalvas técnicas quanto a comparar números em dólares e ajustá-los para levar em conta a inflação e obter termos reais

comparáveis durante um longo período de tempo.
Mas os números foram tirados do que é provavelmente o banco de dados histórico mais respeitado, o Projeto Maddison, criado pelo falecido professor Angus Maddison. A história que eles contam é clara: em termos econômicos, o mundo melhorou.
Um benefício disso é que estamos vivendo mais. Em meados do século passado, um bebê recém-nascido tinha uma expectativa de vida de 50 anos. Hoje, a esperança de vida é de 70. Novamente, há variações enormes entre países, mas a tendência é favorável em quase todas as nações (Botswana é a única onde a expectativa de vida caiu, em alguns meses).
Há muitos fatores por trás de vidas mais longas, mas crescimento econômico significa que podemos gastar mais na nossa saúde, nutrição e em água limpa 
para beber.
A história é parecida se olharmos com cuidado para os padrões de vida: a propriedade de carros aumentou 30% nos primeiros sete anos do século, antes de caírem um pouco durante a recessão global. Esse aumento foi particularmente expressivo em países de renda média e baixa.
Desigualdade
De volta às estatísticas sobre padrão de vida, há um outro motivo pelo qual o PIB per capita não permite uma leitura mais ampla da realidade: esse número não leva em consideração a distribuição de renda e mudanças em padrões de desigualdade.
Pode ser que o padrão de vida esteja aumentando apenas para os mais ricos.

Vejamos, por exemplo, os Estados Unidos, país cuja abundância de dados facilita estudos. Em 2013, a renda média real (ou seja, descontada a inflação) dos lares mais pobres subiu 1,4% nos 40 anos anteriores. Nos lares mais ricos, esse índice foi de 44%.




Dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo que reúne nações ricas e algumas emergentes, também indicam que a desigualdade está crescendo entre os países-membros. A medição usa como referência o coeficiente de Gini, no qual os números mais altos indicam distribuição de renda mais desigual. Esse índice subiu nos anos recentes.
Há, claro, um debate bastante vigoroso a respeito de quão negativo é esse aumento da desigualdade, e a respeito das políticas que podem ou devem ser empregadas para combater este fenômeno.
O aumento da desigualdade é um lembrete de que, por mais que o mundo tenha enriquecido, muitas pessoas não sentiram os efeitos da bonançA

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

A Riqueza de 1% deve superar a dos outros 99% da população em 2016

O portal UOL traz hoje texto da BBC Brasil, que pelo debate que comporta, reproduzimos aqui.

"A partir do ano que vem, os recursos acumulados pelo 1% mais rico do planeta ultrapassarão a riqueza do resto da população, segundo um estudo da organização não-governamental britânica Oxfam.

A riqueza desse 1% da população subiu de 44% do total de recursos mundiais em 2009 para 48% no ano passado, segundo o grupo. Em 2016, esse patamar pode superar 50% se o ritmo atual de crescimento for mantido.

O relatório, divulgado às vésperas da edição de 2015 do Fórum Econômico Mundial de Davos, sustenta que a "explosão da desigualdade" está dificultando a luta contra a pobreza global.

"A escala da desigualdade global é chocante", disse a diretora executiva da Oxfam Internacional, Winnie Byanyima.

"Apesar de o assunto ser tratado de forma cada vez mais frequente na agenda mundial, a lacuna entre os mais ricos e o resto da população continua crescendo a ritmo acelerado."

Desigualdade

A concentração de riqueza também se observa entre os 99% restantes da população mundial, disse a Oxfam. Essa parcela detém hoje 52% dos recursos mundiais.

Porém, destes, 46% estão nas mãos de cerca de um quinto da população.

Isso significa que a maior parte da população é dona de apenas 5,5% das riquezas mundiais. Em média, os membros desse segmento tiveram uma renda anual individual de US$ 3.851 (cerca de R$ 10.000) em 2014.

Já entre aqueles que integram o segmento 1% mais rico, a renda média anual é de US$ 2,7 milhões (R$ 7 milhões).

A Oxfam afirmou que é necessário tomar medidas urgentes para frear o "crescimento da desigualdade". A primeira delas deve ter como alvo a evasão fiscal praticada por grandes companhias.

O estudo foi divulgado um dia antes do aguardado discurso sobre o estado da União a ser proferido pelo presidente americano Barack Obama.

Espera-se que o mandatário da nação mais rica - e uma das mais desiguais - do planeta defenda aumento de impostos para os ricos com o objetivo de ajudar a classe média.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Paranavaí. Daqui & dali

Feriado municipal dia 20, 3ª feira
O Município de Paranavaí possui só 2 feriados municipais. Um é o 14 de dezembro, que seria para comemorar a instalação do Município, que ocorreu em 1952 - deveria dar lugar a outra data, de fundação da cidade, em julho....

Outro é o de 20 de janeiro, que neste ano cai na próxima 3ª feira. Lei municipal assegura feriado para comemorar o dia do Padroeiro da cidade, São Sebastião, o Protetor da Humanidade, contra a fome, a peste e a guerra. Uma linda história de fé cristã.
Bom para celebrar e viajar!

Atividades de férias
O município realiza algumas atividades de férias, quase que todas previstas pelo SESC - Serviço Social do Comércio.

Apenas chochas.

Encerram-se, salvo engano, já no dia 23 de janeiro. 
As aulas voltam no próximo dia 05, o calor é intenso, e nas atividades de férias, nada de piscinas publicas ou dos clubes foi previsto. 
Uma pena.